Maze Runner: Prova de Fogo | Crítica - Popcorn Station Maze Runner: Prova de Fogo | Crítica - Popcorn Station

Ads Top

Maze Runner: Prova de Fogo | Crítica


Maze Runner: Prova de Fogo (Maze Runner: The Scorch Trials)
Elenco: Dylan O'Brien, Kaya Scodelario, Thomas Brodie-Sangster, Giancarlo Esposito e outros.
Direção: Wes Ball.
Estreia: 17 de setembro de 2015.






Maze Runner: Prova de Fogo é a sequência de Maze Runner: Correr ou Morrer, um filme que gostei bastante quando assisti e logo fiquei ansioso para a sequência. Obviamente estava com certas expectativas para o filme, achei o filme bom, mas não saí totalmente satisfeito do cinema.

O filme começa com um flashback mostrando Thomas criança e com sua mãe, algo que não acrescentou nada na trama do filme. Tá, ele tem uma mãe, mas e daí? Enfim, o primeiro ato do filme é muito bom, bem montado, com sequências de ação bem legais. Conhecemos o personagem do Aidan Gillen, que me convenceu como vilão, descobrimos que haviam outros labirintos e enfim descobrimos o que eles faziam com os jovens do labirinto.

Quando eles saem do "abrigo" onde estavam, conhecemos os Cranks, que são basicamente zumbis. Achei o visual muito semelhante ao do jogo The Last of Us, até mesmo os prédios destruídos me lembraram muito o jogo. O visual do filme é bom, nada espetacular, mas convence. Nas cenas dos Cranks temos muita, mas muita câmera tremida e tudo no escuro, com certeza recurso usado para economizar com efeitos especiais e maquiagem nos monstros.

O filme é bem lento, são 2h10 de filme, mas que passão bem devagar. O filme que começa bem, com um ritmo rápido, acaba ficando lento demais. O meio do filme é a parte chata, muitos personagens aparecendo e muita enrolação. Apesar de termos o personagem do Giancarlo Esposito que é um dos mais interessantes do filme, você fica esperando que o filme volte aos trilhos e que as coisas finalmente aconteçam.

Conforme vamos chegando a parte final do filme, as coisas vão melhorando. Temos a reviravolta quando um dos membros trai o grupo, algo que precisava acontecer no roteiro, mas não achei uma motivação boa o suficiente para isso acontecer. Ela quer salvar o mundo, mas não se importa em matar todos que lutaram para salvar ela. Mas tudo bem, temos o ato final do filme. O ataque acontece e o câmera foca em Thomas, ótimo final, mas temos mais uma cena para explicar tudo que vai acontecer no próximo filme. Desnecessário.

Maze Runner: Prova de Fogo é um filme bom, tem muitos defeitos e é bem pior que o primeiro da franquia. Roteiro previsível e alguns personagens mal utilizados na trama, mas se você gostou do primeiro filme, é bem provável que você também goste da sequência.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.