As Telefonistas - 1ª temporada | Crítica - Popcorn Station As Telefonistas - 1ª temporada | Crítica - Popcorn Station

Ads Top

As Telefonistas - 1ª temporada | Crítica


As Telefonistas (Las Chicas del Cable) 
Elenco: Bianca Suárez, Yon González, Ana Fernández García, Ana Maria Polvorosa, Maggie Civantos, Martiño Rivas, Concha Velasco, Nadia de Santiago, Sergio Mur, Nico Romero. 
Direção: Carlos Sedes. 
Data de Estreia: 28 de abril de 2017




Formada de 8 episódios de no máximo 1 hora, a primeira produção original espanhola da Netflix, As Telefonistas, conta a história de mulheres que trabalham numa Companhia Telefônica em Madri na década de 1920, tendo como foco a vida de Lidia Aguilar (Bianca Suárez), que tem um passado comprometedor e leva uma vida fora dos padrões esperados para uma mulher da época. São abordados temas como feminismo, machismo, amizade e sororidade. Lidia Aguilar (Bianca Suárez), Carlota (Ana Fernández García), Àngeles (Maggie Civantos), Marga (Nadia de Santiago) e Sara (Ana Maria Polvorosa) são mais que colegas de trabalho, são amigas no seu sentido mais puro, elas se apoiam, brigam, fazem as pazes e reforçam o quanto é importante que as  mulheres pratiquem a empatia entre si, considerando que cada uma é diferente da outra, mas igualmente únicas.

A princípio somos capazes de estranhar a língua espanhola, tudo soa muito estranho pra quem está acostumado com séries em inglês, mas logo nos apaixonamos e somos capazes de pensar em espanhol ao longo do dia. Vamos combinar que é uma língua extremamente charmosa e que combina perfeitamente com a alma da série. O roteiro, a trama e os personagens lembram muito algumas novelas de TV aberta, quem assistir com certeza irá lembrar da clássica novela “O Cravo e a Rosa”.

A série possui uma estética única e bela, em meio a ornamentos e trajes dos anos 20, tem cores fortes, avermelhadas, arroxeadas; e cores mais leves amareladas e pastéis. Tudo contribuindo para ao charme que envolve a série.

A trilha sonora é um espetáculo à parte, moderna e totalmente sedutora, é apresentada ao espectador logo na abertura com Salt, da cantora B. Miles, e não há como não se render.

É impossível não sofrer junto com cada personagem, com seus problemas e felicidades tão antigos e tão atuais ao mesmo tempo. Las Chicas del Cable é uma escolha fora comum e surpreendente.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.