Gotham - 3° Temporada | Crítica - Popcorn Station Gotham - 3° Temporada | Crítica - Popcorn Station

Ads Top

Gotham - 3° Temporada | Crítica

Gotham - 3° Temporada
Elenco:Ben McKenzie, Donal Logue, David Mazouz, Robin Lord Taylor, Morena Baccarin, Cory Michael Smith
Criação: Bruno Heller
Estréia: 19 de setembro de 2016


O universo da DC Comics encontra-se em constante expansão na televisão americana, assim como no cinema. Uma das principais responsáveis por isso é Gotham, série da FOX que tem a árdua tarefa de contar a história da cidade mais corrupta dos quadrinhos e como a força de polícia local, comandada pelo então detetive James Gordon (Ben McKenzie) lutava para manter a ordem antes de ter ao seu lado seu principal aliado, o Batman.

Claro que a série também busca contar de maneira original e convincente como o jovem Bruce (David Mazouz) chegou a se tornar o Cavaleiro das Trevas, utilizando-se de diversas referências aos quadrinhos, porém mantendo um toque de autenticidade na origem do maior super herói da DC. Ao passo do que se viu nas hqs Terra Um, escritas por Geoff Johns, aqui vemos que as motivações do jovem órfão foram diversas e seu caminho bem mais tortuoso do que o imaginado, além claro de um Alfred como figura extremamente presente na formação do senso de justiça do garoto.

Gotham, seguindo o exemplo que ficou conhecido também em Agents of S.H.I.E.L.D, vem apostando em dividir suas temporadas em arcos menores, sempre contando com belíssimos cliffhangers para o arco posterior e optando por contar a gênese dos vilões mais conhecidos do universo do Batman, como sendo responsáveis pela degradação constante da cidade, não restando outra alternativa a mesma, se não que surja um vigilante das próprias trevas nas quais a cidade vive envolta.

Com personagens marcantes e referências sutis, o time produtivo de Gotham tem acertado em cheio nos enredos e nos momentos de apresentação dos personagens. Esse ano em especial se mostrou incrivelmente acertado, sendo de longe o melhor da série, superando a segunda metade da temporada passada que tinha sido um belíssimo acerto da emissora.

Vale destacar, entre os ótimos personagens apresentados, a relação já constante de Edward Nygma (Cory Michael Smith) e o Pinguim (Robin Lord Taylor) que entregam sempre atuações fantásticas e um enredo próprio extremamente cativante. Outro adendo grandioso à série foi o Jervis Tetch (Benedict Samuel), conhecido como o Chapeleiro Louco, que teve em seu breve arco um dos melhores momentos da temporada. Claro que não poderia ficar de fora o grande Jerome Valeska (Cameron Monaghan) nos trazendo de volta a figura horrenda que provavelmente conheceremos no futuro como o Coringa e sendo responsável, de longe, por uma das melhores atuações encontradas na série, mesmo que sua presença seja essencialmente esporádica.

Fato é que Gotham tem, enfim, mantido uma regularidade que dela se esperava e se já não tem mais a ambição de ser o que dela se esperava no início, uma série mais focada no DPGC tentando controlar as gangues da cidade, sem a presença maciça de vilões consagrados, a série ao menos vem conseguindo usar isso ao seu favor, utilizando os vilões para justificar o status incontrolável da cidade, basicamente a fazendo clamar por um guardião e pelo que vimos no excelente episódio final, esse guardião está mais próximo de surgir do que se imagina. 

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.